E MAIS UM ANO DE VIDA

  E hoje me deu vontade de falar um pouco sobre minha família!  Essa linda mocinha aí da foto é minha filha, que completou ontem 28 anos de idade. Minha companheira de todos os dias! Sempre aprendendo muito com ela. … Continuar lendo

SIMPLES DESEJO

Dica de Felicidade e de Desejo

Nada a falar.

Nada a acrescentar.

Ouvir e sonhar. 

Por que a vida não precisa ser exatamente certinha todos os dias!

Às vezes, é preciso ter coragem para “subverter as regras”.

Simples Desejo (Luciana Mello)

Uma Vida Mais Feliz

Hoje, eu não vou  falar sobre aqueles hábitos físicos ou alimentares que constantemente vocês veem por aqui, apesar de que ontem foi o Dia do Coração, e eu fiquei muita tentada a escrever mais umas palavrinhas sobre o assunto, Mas o que tenho para dividir com vocês pausa é tão importante quando a saúde do nosso coração: hábitos para o bem-estar e equilíbrio emocional. Se você estiver com esse “eletrocardiograma emocional” normal, parabéns! Você é uma pessoa feliz! 

Desista de querer estar sempre certo

Há tantas pessoas que não suportam a ideia de estarem erradas e querem ter sempre razão, mesmo que seja para acabar com grandes relacionamentos, amizades  ou causar estresse e dor para si e para os outros. Sempre que você sentir essa necessidade “urgente” de começar uma discussão para saber quem está certo ou quem está errado, pergunte a si mesmo: “Eu prefiro ter razão ou ser feliz”? Que diferença fará?  Será que seu ego é mesmo tão grande assim? Respire fundo, conte até mil (se for preciso) e tenta não se exasperar. Não levante a voz, nem perca a razão! Exponha seus argumentos de maneira clara.  Não se trata aqui de abandonar seus ideais ou seu ponto de vista. Não! Nada disso! O que eu estou falando é para discutir as relações de forma inteligente e sábia. Não tente querer mudar o mundo ou as pessoas ao seu redor. Comece a mudança por você mesmo.

Desista de querer sempre controlar tudo e todos

Abandone a sua necessidade de querer sempre controlar tudo (situações, eventos, pessoas, família, colegas de trabalho ou seja lá quem for). Cada um é o que é, e ponto final.

Pare de culpar os outros

Não culpe as outras pessoas pelo que você tem ou não, pelo que você sente ou deixa de sentir, pelos seus erros e fracassos. Responsabilize-se  pela sua vida, que já é muita coisa.

Abandone as conversas autodestrutivas e as crenças limitadoras

Quantas pessoas estão se machucando, se dando mal  por causa da sua mentalidade negativa e derrotista? Não acredite em tudo o que a sua mente está te dizendo – especialmente, se é algo pessimista. Você é melhor do que isso. Não se permita mais deixar que as suas crenças e pensamento restritivos te façam parar e estacionar sempre no mesmo lugar ou no lugar errado.

Pare de reclamar

Pare com essa necessidade de reclamar da vida e de todos. Ninguém tem o direito de te deixar infeliz, a não ser que você permita. Não é a sua mente que libera esses sentimentos ou pensamentos, mas a maneira como você escolhe vivenciá-los. Pense sempre na força do pensamento positivo. Há em cada um de nós uma força interior que ninguém pode destruir! Creia nisso!

Pare de criticar

Desista do hábito de criticar coisas, eventos ou pessoas que são diferentes de você. Nós somos todos diferentes e, ainda assim, somos todos iguais. Todos nós queremos ser felizes, queremos amar e ser amados e ser sempre entendidos.

Desista de querer impressionar os outros

Pare de tentar ser alguém que você não é só para agradar os demais. Viva a sua vida e a seu modo!

Abra mão da sua resistência à mudança

Mudanças são sempre bem-vindas. Mudar pode melhorar a sua vida e a vida de outros que vivem ao seu redor.  Siga a sua felicidade, abrace a mudança e não resista a ela.

Não julgue

Não julgue aquelas pessoas, coisas e situações apenas pela aparência. Tente abrir a sua mente e entender o que motiva as pessoas a serem ou agirem de determinada maneira. Elas são felizes? Então, é o que basta! 

Desista de suas desculpas

Muitas vezes não saímos do lugar, não evoluímos material nem espiritualmente por causa das muitas desculpas que usamos. Ao invés de crescer e trabalhar para melhorar a nós mesmos  ficamos presos e usamos qualquer tipo de desculpas, que às vezes, sequer existem.

Deixe o passado no passado

É difícil. Especialmente quando o passado parece bem melhor do que o presente ( que te deixa deprimido) e o futuro parece tão assustador (que te faz ansioso demais). Esteja presente em tudo que você fizer e aproveite a vida. Enxergue o futuro com clareza, prepare-se, mas sempre esteja presente no agora.

Desapegue-se

Este é um conceito que, para a maioria de nós é bem difícil de entender. Você melhora a cada dia com tempo e prática. No momento em que você se desapegar de muitas coisas, ou, pelo menos, daquilo que é desnecessário, verá como as coisas começam a ser vistas de forma mais saudável e prática, sem tanto sofrimento.

Pare de viver a sua vida segundo as expectativas das outras pessoas

Muitas pessoas vivem uma vida que não é delas. Vivem de acordo com o que outras pessoas pensam que é o melhor para elas, ignorando suas vozes interiores, suas intuições. Estão tão ocupadas em querer agradar todo mundo que perdem o controle da própria vida. Isso faz com que esqueçam o que as faz feliz, o que elas querem e o que precisam – e, um dia, esquecem também delas mesmas. Você tem a sua vida e deve vivê-la, dominá-la e, especialmente, não deixar que as opiniões dos outros te distraiam, te desviem do seu foco, te façam infelizes. O que importa é a sua consciência e o que o teu Deus pensa a seu respeito!

*Esse post foi baseado na leitura do seguinte artigo: coisas que você precisa abandonar para ser feliz

 

Hugh Laurie No Brasil

 

Hugh Laurie no Brasil

Quando eu poderia imaginar que um dia ficaria praticamente “face to face” com esse ator extraordinário, Hugh Laurie, que fez da série Dr House simplesmente a mais assistida do planeta? Acho que nem nos mais lindos sonhos. Além de excelente intérprete, ele ainda canta, toca piano, guitarra, violão, gaita, dança e interage magistralmente com o público. Tudo isso acompanhado de sua Copper Bottom Band, tocando e cantando blues e jazz irrepreensivelmente, com direito a um Mais Que Nada (Jorge Ben Jor) para encerrar as quase três horas de show lá no Citibank Hall, em São Paulo.

Valeu muito, mas muito, mas muito, mas muito a pena. 

Um sonho que consigo realizar!

Desacelere e Seja Feliz

Boa tarde!

Hoje, em vez de editar um post, eu trago um texto magnífico, escrito brilhantemente pela Giuliana Capello, autora do blog  Gaiatos e Gaianos, jornalista ambiental especializada em construções sustentáveis, escritora e colaboradora das revistas Arquitetura & Construção, Casa Claudia e Bons Fluídos, além de guarda-parque e permacultora*. O post está tão bem escrito e argumentado que qualquer palavra que eu pudesse escrever ou então tentar dissertar sobre um assunto que me apaixona e fascina (Sustentabilidade) estragaria tudo e tiraria todo o encanto e a leveza de quem o escreveu, de forma tão clara e objetiva e, ao mesmo tempo, poeticamente. Por isso, nada melhor do que transcrevê-lo literalmente, ir saboreando as palavras uma por uma e refletir grandemente sobre um assunto tão atual, importante, presente na vida de cada um de nós. Vamos ao texto?

Desacelere e seja mais feliz (Giuliana Caplello)

“A lógica do ‘acelerar para fazer mais coisas’ está com os dias contados. Quase ninguém mais consegue levar numa boa essa vida agitada da cidade. Até o antigo status de viver assim, sem tempo pra nada, vem murchando na sociedade, pode reparar. Não existe mais aquele consenso de que gente importante e poderosa é gente com a agenda lotada, que fica cancelando compromissos durante o dia, porque o anterior durou mais do que o tempo de deslocamento até o próximo. Af!

Aos poucos, já tem gente percebendo – e sentindo na pele – que pessoas bem sucedidas e com qualidade de vida são aquelas que têm mais autonomia para distribuir, ao longo do dia, trabalho, lazer e prazer. Chique mesmo é poder almoçar sem pressa numa quarta-feira, ou dar um passeio de bicicleta no parque depois da última reunião da tarde (que não se estendeu a ponto de inviabilizar seu compromisso com você), não é verdade?

Não dá para negar que, sim, as tecnologias da informação nos ajudam muito, especialmente no trabalho. Mas também é fato que, se deixarmos, elas tendem a nos fazer trabalhar sempre mais horizontalmente, expandindo nossas tarefas para todos os lados e reduzindo, assim, o tempo de atenção para cada uma delas. Em outras palavras, máquinas e ferramentas velozes (internet, celular e todo o kit que criamos para acompanhá-los) quase nunca promovem um aprofundamento, um mergulho (verticalização) ou dedicação mais centrada em um ou outro tema.

O resultado é curioso: além da sensação de respiração mais curta (a velocidade é tanta que quase não conseguimos mais respirar profundamente), ficamos também com a impressão de que, na verdade, nada foi feito, nada foi realizado. Corremos daqui prá lá, de lá prá cá, apagando incêndios, contendo problemas, mas quase nada construímos ou criamos… É claro! Não tivemos tempo para isso.

Voltando à necessidade/vontade de simplificar o dia a dia, ter menos tarefas significa ter a chance de realizá-las mais plenamente, de empenhar-se mais, de se dedicar de verdade. Simplificar a vida, nesse sentido, é saber excluir as atividades que são dispensáveis, que não merecem nosso tempo nem nossa energia. O grande lance não está em descobrir maneiras para fazer mais e mais coisas no mesmo espaço (já tão curto) de tempo. Isso é mais ou menos como ficar quebrando a cabeça para resolver o desafio da destinação do lixo, sem refletir para a necessidade de reduzir a geração dos resíduos… O problema não é saber encaixar tarefas em períodos cada vez mais apertados. É preciso escolhê-las mais criteriosamente, selecionar, ser capaz de dizer não.

Nada pode ser mais libertário, aliás, do que dizer não para algumas coisas: não pegar mais trabalho e comprometer o tempo com os filhos, não comprar roupas novas só para que os outros o vejam na moda, não trocar de carro ou de celular porque um modelo mais novo garantiria mais status no escritório… O que você considera, afinal, que é melhor para você, para sua vida?

Reduzir o ritmo das atividades significa incorporar mais qualidade nas ações definidas para o dia. Até a nossa respiração muda! Não é preciso ficar ofegante e ansioso durante uma reunião, porque o tempo está correndo e não vai dar para chegar na hora do próximo compromisso. Calma. Desacelere.

Muita gente tem notado que, no fim, não é produtivo (nem prazeroso) fazer tanta coisa ao mesmo tempo. Pense sobre isso. É realmente necessário passar no shopping no fim do dia para comprar mais um sapato? É realmente importante passar horas e horas nas redes sociais e não ter tempo para um almoço com um amigo? Você precisa fazer três cursos de idioma ao mesmo tempo? E que tal ler um livro para seu filho à noite, em vez de ficar ‘zapeando’ à toa na frente da tv?

Talvez o grande problema não esteja na falta de tempo, mas na má administração dele, nas distrações que inserimos em nossa rotina, sem perceber os efeitos negativos que elas nos trazem. Muitas vezes, confundimos “fazer muitas coisas” com “consumir muitas coisas”, algo que, de modo geral, tem uma conotação ainda boa neste mundo de vontades insaciáveis, mas que implica estresse, mais contas a pagar e, no final, menos satisfação, menos plenitude.

Gosto de um pensamento da tradição taoísta (de Lao-Tsé) que diz: “aquele que sabe possuir o suficiente é rico”. Peço licença para acrescentar: aquele que sabe fazer o suficiente é feliz. E, já que o assunto é tempo, termino por aqui, para convidá-lo a dar uma olhadinha na paisagem da janela (como fiz nesta foto) e sentir o cheiro delicioso da chuva que – finalmente! – chegou para melhorar o ar que respiramos – e, claro, nos chamar para uma pausa gostosa, um ritmo mais lento, um jeito mais manso de levar a vida. “

*Permacultura:  A Permacultura é um sistema de design para a criação de ambientes humanos sustentáveis. A palavra em si não é somente uma contração das palavras PERMAnente e agriCULTURA, mas também de Cultura Permanente, pois culturas não podem sobreviver muito sem uma base agricultural sustentável e uma ética do uso da terra.

Fonte: http://www.permaculturaceara.org/conceito

Gostaram? Eu adorei e amei conhecer gente que se preocupa com a gente.

Fiquem à vontade para expressarem suas opiniões.

E vamos desacelerar!!! 

Abraços.

Acostumando-se a Desacostumar-se

Depois de muito tempo viajando apenas com meu marido ( a lazer ou a trabalho), tiramos uma semana de férias e conseguimos reunir a família toda para um passeio inédito. Digo inédito porque isso não acontecia há muito tempo. Cada … Continuar lendo

Lastime-se Menos e Viva Mais

 

Já repararam como algumas pessoas estão sempre reclamando de alguma coisa ou se queixando da vida? E por que será?  Para elas, nada está bom. Tudo tem que ter uma explicação plausível e lógica. Julgam os outros a todo instante, mas não querem ser julgados. Criticam, mas não permitem ser criticados. Invejam a felicidade alheia, mas não fazem nada para melhorar de vida.  Querem manter tudo sob controle e nada pode dar errado além daquilo que imaginaram ou planejaram.

Pare com tudo isso e simplesmente vá ser feliz! Pare de exigir de si e dos outros aquilo que eles não são ou que não podem oferecer. Pare de se cobrar! Deixe de lado a perfeição, o egoísmo, as manias obsessivas, as vontades incontroláveis que te consomem e te devoram, as mágoas que corroem o coração. Pare de ser invejoso, áspero, rancoroso, severo. Pare de ficar remoendo o passado, estressando-se com o futuro, que ainda nem chegou, e vá viver o hoje e o agora, vá viver o seu presente, que é uma dádiva de Deus. Concentre-se naquilo que você é capaz de fazer e faça da maneira que puder ou souber. Feito é melhor do que perfeito.

A vida deve ser vivida em toda sua plenitude! Problemas, que não os tem? Viva dia após dias tentando resolver um a um, com calma e serenidade. Nossa passagem aqui na Terra seria muito sem graça se não houvesse problemas para serem resolvidos. Aliás, a palavra “problemas” já nasceu com esta missão: ser resolvida.  Há para tudo um propósito.  Vá ser feliz! Brinque! Ame! Trabalhe! Sorria! Viaje! Cante! Plante uma árvore! Escreve ou rabisque algumas palavras (vale até ser algumas bobagens). Passeie, viaje sozinho ou com seu amor, sua família, filhos, amigos. Caminhe! Aprecie o verde! Ajude um necessitado. Faça trabalho voluntário. Simplesmente seja feliz por nada.

Poxa, gente,  quanta coisa para se fazer… Ninguém aqui está mandando jogar tudo para o alto e ser adepto do dolce far niente e esperar que um milagre aconteça ou que as coisas caiam do céu e se resolvam de uma hora para outra como mágica. Pelo contrário. Lute pela sua felicidade e a da sua família. Olhe seus problemas por um outro ângulo e verá que eles são tão pequenos se comparado aos de outras pessoas… Pode ter absoluta certeza de que tem tanta gente com problemas de saúde, doenças terminais, drogas na família, solidão, condições péssimas de sobrevivência e que são bem mais felizes do que você!

Eu aconselho àqueles que veem problemas e dificuldades em tudo a lerem a matéria de capa da Revista Veja São Paulo, da semana passado, intitulada “No Hospital há 1734 dias”, para saberem como vivem pessoas cujas casas tornaram-se o hospital há mais de anos. São histórias comoventes contendo as rotinas, dramas e as esperanças de pacientes (crianças e adultos) que moram em enfermarias e UTIs e jamais deixaram de sorrir. Você verá que a SUA vida pode ser simplesmente maravilhosa! Pense nisso!

“Pare de reclamar, pare de buscar o impossível, pare de exigir perfeição de si mesmo, pare de querer encontrar lógica pra tudo, pare de contabilizar prós e contras, pare de julgar os outros, pare de tentar manter sua vida sob rígido controle. Simplesmente, divirta-se.” (Martha Medeiros).

Para quem não conhece Martha Medeiros, ela é colunista dos jornais O Globo e Zero Hora, romancista e autora de vários  best-sellers, entre eles, Feliz por nadaDoidas e santas e Um Lugar na Janela.